quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

O ano acabou, viva o ano novo!

Vim aqui agradecer. A todos vocês. Àquelas pessoas que estiveram perto, mesmo estando do outro lado do mundo, aos amigos velhos e novos, mas sempre sem rugas e sem rusgas, aos seres amados e aos odiados, pois nos dão energia e vontade de ir mais além.
Vim agradecer a vocês que me leram, aos que debateram, aos que apoiaram, aos que duvidaram, pois o conhecimento e a ciência são feitos de certezas relativas e estão abertos às teses novas e a quem queira experimentá-las com seriedade.
O ano acaba, agoniza.
O ano morre. Viva o novo ano. Que ele seja bom, que ele seja inteiro, para todos nós.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

E você?

Eu adoro o Natal. Talvez seja a minha festa preferida.
Talvez porque inspira bons sentimentos, talvez por conta das luzes, talvez pelo cheiro da chuva, por estar junto a quem se quer bem, nem sei,... Talvez seja só pelas lembranças boas. E ser bom nesta época é aceitável e até desejável.
Muitas pessoas detestam esta época pelos mesmos motivos.
Muitas estão sozinhas e esta época faz sentir a solidão com um peso ainda maior.
Só que a solidão não é uma questão definitiva. Basta abrir-se um pouco. As pessoas estão por aí, muitas só esperando uma companhia.
Eu passei muitos Natais de plantão, nos hospitais da vida. Não era um problema. Ali estavam tantas pessoas desejosas de um momentinho de atenção.
Está provado que o cérebro generoso dá grandes satisfações. É bom ser bom. Dá prazer.
Então aproveite este momento. Experimente sair do casulo. Ninguém vai rir de você se você levar um panetone ou um brinquedinho para o menino do sinal, nem trocar duas palavrinhas com ele. Ah, não esqueça de perguntar seu nome, sua idade. Trate-o por gente. Porque talvez ele seja tão solitário quanto você. Você vai se surpreender. E descobrir o prazer do sorriso no rosto alheio.
Dê um "Feliz Natal" para o porteiro com quem você mal fala.
Não tenha medo de ser piegas. Agora somos todos piegas, e você não vai "queimar o seu filme".
Vá a um asilo só para conversar. Não há maior presente que um ouvido que escute as suas histórias sem pressa.
E se não te der vontade de nada disso, fique em casa simplesmente. Lembre das pessoas que você amou, das que ama, dos Natais felizes vividos (ou dos que você gostaria que tivessem sido). Não tenha vergonha de chorar. As pessoas vivem para sempre dentro de você.
Talvez, se der vontade, procure o telefone de um amigo antigo, em alguma velha agenda. Ligue, custa pouco. Vai ser como uma surpresa, um presente para os dois.
E faça as pazes com quem você brigou e nem mesmo lembra o por que. Peça desculpas (mesmo sem ter culpa). Custa tão pouco e no fim você vai economizar anos de amargura inútil e não há melhor período no ano para fazer isso. Invista em afeto.
O Natal pode ser muito bom.
Eu adoro o Natal por tudo isso. E você?

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

"M'illumino d'immenso"


"Mattina

M'illumino d'immenso

G. Ungaretti, 1917"

Giuseppe Ungaretti (que por sinal foi professor na USP) escreveu o poema "Mattina" em 1917. Era a Primeira Guerra Mundial, a Guerra das trincheiras e um massacre como nunca tinha sido visto antes.
Ele estava lá, e via amanhecer, e em uma só frase resumiu a maravilha de descobrir-se vivo e parte da Natureza que o cercava. A luz e o calor da nova manhã que chegava e prometia um novo dia, uma nova chance. Ao mesmo tempo, a percepção da grandeza do Universo, do ritmo dos planetas e estrelas e a consciência de nossa pequenês e fragilidade diante de algo muito maior que nós mesmos, onde somos nada e ao mesmo tempo parte de tudo.
Trouxe este poema para vocês porque gosto muito dele.
Na sua simplicidade e na enormidade de seu significado.
Para todos vocês, meus amigos, que estiveram presentes aqui, comigo, ao longo deste ano tão difícil, desejo que vocês possam iluminar-se de imenso. Que as suas vidas se encham desta percepção de que somos todos um, fazemos parte deste todo, e que apesar das aparências não estamos sozinhos.
Que vocês festejem a Vida e o seu renascer com as suas famílias e com as pessoas que vocês amam. Que esta fração de imenso que chamamos tempo, possa ser cheia de luz.

Feliz tudo para vocês!

(Foto: Bea, 3 anos, por S. Goraieb, todos os direitos reservados.)

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

A omissão e a vergonha.

Acabo de saber que a conferência sobre o clima de Copenhagen deu em nada. Eu não tinha a menor dúvida que isto iria acontecer.
Os interesses políticos ainda não colimam com a necessidade de se fazer algo de realmente sério sobre o problema.
Mesmo porque nenhum político no planeta iria assumir o ônus de frear o que se chama "desenvolvimento" em prol da preservação de coisa alguma, exceto do poder deles próprios.
É evidente que os modelos econômicos atualmente aplicados no mundo dito desenvolvido estão anos luz do modelo sustentável. Queria ver quem teria a coragem de dizer: vamos frear o consumo, vamos tirar dinheiro do mercado, muita gente vai falir, vai passar fome, até as coisas entrarem num novo patamar de desenvolvimento, em um novo modelo econômico, mais compatível talvez com aquele de nossas avós, quando se comprava uma roupa para durar 10 anos ou até que ela não tivesse mais como ser remendada, ou um sapato após trocar as solas repetidas vezes até que furasse e nada se jogava fora na cozinha.
Queria ver quem iria dar a cara a tapa dizendo que seria melhor ter menos gente no mundo, como fez o príncipe consorte inglês e foi execrado como se estivesse falando uma enorme besteira. Queria saber quem iria dizer que a sua aposentadoria, a previdência estatal, iria acabar, pois não haveriam novas gerações de trabalhadores para manter a pirâmide e ela iria falir.
Queria ver quem teria a coragem de criar um imposto a mais (salgado, dadas as cifras) para que o planeta sobrevivesse, a espécie humana sobrevivesse.
Não, nenhum deles faria isso. Nenhum queimaria o próprio filme em prol do bem geral não apenas da nação, mas da inteira vida no planeta.
Portanto, nada de novo do front. Tudo igual. Economia e planeta aquecidos e todos contentes de empurrar com a barriga.
Como já disse Luis XIV: -"Depois de mim, o dilúvio"... e olhem que nem tinha começado a revolução industrial...
Está na hora de cada cidadão com um mínimo de senso crítico começar a pensar em soluções concretas, pois se depender dos "líderes" do mundo, morreremos "afogados", uma vez que ainda não se percebeu que o mundo não se divide em ricos e pobres, mas é um só e estamos todos juntos nele.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Os votos

Este poema circulou como obra de Victor Hugo, mas na verdade é de um jornalista, poeta e dramaturgo bem brasileiro, Sergio Jochymann. Quando eu era menina, via um programa na TV Tupi com a Eva Wilma como Penélope, também fruto de sua pena. Coisas de infância, mas inesquecíveis, em especial na casa da minha avó.
Desde que recebi este texto, alguns anos atrás, me senti perfeitamente representada nas suas palavras. Acho que é o que poderia de fato desejar a todos vocês, que tiveram a paciência de seguirem minhas postagens. Peço desculpas por minhas rabugices, e pelos meus últimos silêncios. Tem sido um período de turbulências.
Como já chegamos no final do ano, achei que seria bom repropor o texto. Gostaria de poder ter contatado o autor diretamente para poder solicitar sua autorização. Inclusive peço que, se alguém conhecer como seria possível contatá-lo, me escreva.
Com a máxima transparência e respeito pelo autor do texto, reproduzo abaixo este belíssimo augúrio.

"Os Votos

“Pois desejo primeiro que você ame e que amando, seja também amado.

E que se não o for, seja breve em esquecer e esquecendo não guarde mágoa.

Desejo depois que não seja só, mas que se for, saiba ser sem desesperar.

Desejo também que tenha amigos e que mesmo maus e inconseqüentes, sejam corajosos e fiéis.

E que em pelo menos um deles você possa confiar e que confiando, não duvide de sua confiança.

E porque a vida é assim, desejo ainda que você tenha inimigos, nem muitos nem poucos, mas na medida exata para que algumas vezes você interprele a respeito de suas próprias certezas.

E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo para que você não se sinta demasiadamente seguro.

Desejo depois que você seja útil, não insubstituívelmente útil mas razoavelmente útil.

E que nos maus momentos, quando não restar mais nada, essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.

Desejo ainda que você seja tolerante, não com que os que erram pouco, porque isso é fácil, mas com aqueles que erram muito e irremediavelmente.

E que essa tolerância nem se transforme em aplauso nem em permissividade, para que assim fazendo um bom uso dela, você dê também um exemplo para os outros.

Desejo que você sendo jovem não amadureça depressa demais, e que sendo maduro não insista em rejuvenescer, e que sendo velho não se dedique a desesperar.

Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e é preciso deixar que eles escorram dentro de nós.

Desejo por sinal que você seja triste, não o ano todo, nem um mês e muito menos uma semana, mas um dia.

Mas que nesse dia de tristeza, você descubra que o riso diário é bom, o riso habitual é insosso e o riso constante é insano.

Desejo que você descubra com o máximo de urgência, acima e a despeito de tudo, talvez agora mesmo, mas se for impossível, amanhã de manhã, que existem oprimidos, injustiçados e infelizes.

E que estão estão à sua volta, porque seu pai aceitou conviver com eles.

E que eles continuarão à volta de seus filhos, se você achar a convivência inevitável.

Desejo ainda que você afague um gato, que alimente um cão e ouça pelo menos um João-de-barro erguer triunfante seu canto matinal.

Porque assim você se sentirá bom por nada.

Desejo também que você plante uma semente, por mais ridículo que seja, e acompanhe seu crescimento dia a dia, para que você saiba de quantas muitas vidas é feita uma árvore.

Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro porque é preciso ser prático. E que pelo menos uma vez por ano você ponha uma porção dele na sua frente e diga: "Isto é meu".

Só para que fique claro quem é o dono de quem.

Desejo ainda que você seja frugal, não inteiramente frugal, não obcecadamente frugal, mas apenas usualmente frugal.

Mas que essa frugalidade não impeça você de abusar quando o abuso se impuser.

Desejo também que nenhum de seus afetos morra, por ele e por você. Mas que se morrer, você possa chorar sem se culpar e sofrer sem se lamentar.

Desejo por fim que, sendo mulher, você tenha um bom homem e que sendo homem tenha uma boa mulher.

E que se amem hoje, amanhã, depois, no dia seguinte, mais uma vez e novamente de agora até o próximo ano acabar.

E que quando estiverem exaustos e sorridentes, ainda tenham amor para recomeçar.

E se isso só acontecer, não tenho mais nada para desejar”

Poema de Sérgio Jockymann, jornalista, romancista, poeta e dramaturgo brasileiro.



Tomara que eu não possa desejar mais nada a nenhum de vocês.

sábado, 21 de novembro de 2009

Vamos participar?

Dia 23 é o dia nacional do combate ao câncer infantil.
Muito pouco se fala disso, mas é importante estarmos conscientes de que o que faz a diferença é o diagnóstico precoce e a imediata adoção de medidas terapêuticas adequadas a cada caso. Em certos casos a probabilidade de cura é muito alta.
Por favor, vamos abrir nossos olhos e participar da campanha?

http://www.dncci.org.br/inicio.html

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

A qualidade do esperma e a exposição aos poluentes

Um artigo do grupo da Universidade de Nápoles traz um alerta sobre a exposição aos poluentes decorrentes da atividade de trabalho relacionada ao tráfico, em especial ao dióxido de nitrogênio por seus efeitos sobre a motilidade dos espermatozóides, além da forçada postura sentada, reduzindo a fertilidade nestes sujeitos.
O artigo foi publicado no Journal of Endocrinological Investigation e vale uma lida, em especial quando se passa horas do dia parado na marginal ou nos engarrafamentos, respirando ar poluído sentados em nossos carros.

Para saber mais:
Boggia B, Carbone U, Farinaro E, Zarrilli S, Lombardi G, Colao A, De Rosa N, De Rosa M.
Effects of working posture and exposure to traffic pollutants on sperm quality.
J Endocrinol Invest. 2009 May;32(5):430-4.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Algo que os laboratórios não podem vender...



A propaganda é do laboratório. A ironia é que ilustra aquilo que eles não podem vender.

Todos os direitos reservados a CANADA NEWSWIRE.

Autismo e Ftalatos

Artigo do grupo de Ciências Ambientais da Universidade de Karlstad nos traz uma possível ligação entre distúrbios autísticos na infância e contaminantes ambientais dentro das residências.
O estudo é parte de um projeto mais amplo que foca a incidência de asma e alergias d em crianças suecas, o The Dampness in Buildings and Health (DBH) Study, que começou no ano 2000 através de um questionário distribuído aos pais de todas as crianças de 1 a 6 anos em uma região da Suécia. Uma segunda etapa foi realizada em 2005.
A investigação original abordava a situação familiar, hábitos familiares (fumo de tabaco), sintomas e história de alergias, tipo de residência, presença de umidade e tipo de piso (que incluía o PVC). No segundo questionário, que fazia o follow-up das mesmas crianças, perguntou-se também sobre a incidência de Autismo, Síndrome de Asperger ou Síndrome de Tourette.
De um total de 4779 crianças, 72 apresentaram distúrbios correlacionados ao autismo, diagnosticados por profissionais médicos.
As análises das associações entre os contaminantes ambientais no ambiente doméstico apresentaram cinco variáveis estatísticamente significativas: tabagismo materno (hábito de fumar), sexo masculino, problemas econômicos na família, casas com baixa ventilação (condensação nas janelas), e piso de PVC, em especial nos quartos dos pais. Houve também uma associação positiva para sintomas de asma no primeiro questionário e autismo no segundo, 5 anos depois.
Os resultados da segunda fase sugerem que o piso de PVC é uma importante fonte de ftalatos inalados dentro de casa, e que a prevalência de asma e alergia estão associadas à concentração deste contaminante nos quartos das crianças.

Para saber mais:
Larsson M, Weiss B, Janson S, Sundell J, Bornehag CG.
Associations between indoor environmental factors and parental-reported autistic spectrum disorders in children 6-8 years of age.
Neurotoxicology. 2009 Sep;30(5):822-31.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Coisas várias

Ando adoentada, e talvez por este motivo, meu limiar de irritabilidade esteja muito mais baixo do que habitualmente. Não que normalmente eu seja muito condescendente, mas...
Se tem uma coisa que me irrita profundamente é como as pessoas gostam de ser enganadas. São os famosos: creme que acaba com celulite, cosméticos "orgânicos", não testados em animais, dieta instantânea, shampoo sem sal, rejuvenesce 20 anos, etc...
E muita gente de boa fé, para não abrir mão do que o que gostariam que a vida fosse, acaba aceitando como reais um monte de falácias.
Acabei de ouvir que tem gente quando dá "ciao" se preocupa mais com o próprio braço e suas "pelancas" do que com quem está indo embora. Sinceramente, mas quando é que vamos ser sérios?
Quer saber, ser bonito é legal e tal e coisa, mas a todo custo é ridículo.
Querer "parecer" uma adolescente na terceira idade é o "fim da picada"(como se vê, eu estou quase lá). Se você é gorda demais, magra demais, não pinta os cabelos, ou eles não são iguais aos do comercial de shampoo, se você é careca, tem flacidez, acne, ou tudo isto junto, não significa que você não exista.
Chega desta ditadura do perfeito, da beleza eterna, do creme milagroso! Chega de querer ser o que você não é! Chega de engolir bobagem!
Eu não aguento mais esta coisa de aparência. Mesmo que ofenda as certezas de muita gente boa.

Talvez passe mais um pouco sem escrever.

PS: Para (Rodrigo) quem nunca ouviu falar, existe um cógido de regras de comportamento profissional denominado "Código de Deontologia Médica", onde existem regras claras sobre publicidade médica.
Como disse estou doente.

domingo, 4 de outubro de 2009

Física Quântica em Blumenau

Recebi do Manoel Fernandes e divulgo:

SEMINÁRIO: A FÍSICA QUÂNTICA NA REALIDADE HUMANA

Com o Prof. Osny Ramos

Diariamente, nas atividades e nos relacionamentos, as leis e os princípios da Física Quântica atuam poderosamente. Comportamentos e decisões importantes são determinados pelas leis quânticas, produzindo contextos favoráveis ou negativos para a concretização de projetos, solução de problemas e superação de obstáculos.

Saiba como isso é cientificamente possível, ouvindo e participando do seminário do professor Osny Ramos, estudioso e pesquisador nesta área.

OBJETIVOS

- Discorrer, para o público não especializado, sobre os fundamentos básicos das leis e princípios quânticos e seus intrigantes mistérios e significados.

- Informar, para o público não especializado, as possibilidades de utilização das leis e princípios da Física Quântica na vida real, nas atividades e nos relacionamentos. ‘

- Mostrar os pontos de contato entre a Física Quântica e as demais ciências como Física, Medicina, Psicologia, Parapsicologia, Pedagogia, Filosofia, Teologia, em especial.

- Enfatizar a compreensão sobre a unidade entre Física Quântica e Espiritualização da Vida.


OS PRINCÍPIOS DA FÍSICA QUÂNTICA PODEM SER UTILIZADOS PARA:

- Ampliar a nossa consciência e compreensão da realidade.

- Dinamizar e desenvolver em nós capacidades e qualidades.

- Estimular os processos de cura de doenças físicas e psíquicas.

- Superar deficiências, medos e condicionamentos.

- Produzir circunstâncias e contextos favoráveis para a concretização de projetos, negócios e atividades.

- Atrair clientes e parcerias.

- Neutralizar ações e influências psíquicas hostis.

- Harmonizar relacionamentos e otimizar atividades.

- Fortalecer a espiritualidade.


TEMPO DE DURAÇÃO DO SEMINÁRIO:

O seminário terá a duração de 2 horas e 30 minutos; em seguida, Osny Ramos ficará à disposição para responder às perguntas dos participantes.

RESUMO:

Evento: Seminário “A Física Quântica na Realidade Humana”
Data: 10 de novembro de 2009 – terça-feira
Horário: das 19h30 às 22h
Local: Grande Hotel Blumenau - Al. Rio Branco, 21 - Centro
Blumenau – SC



INVESTIMENTO:

R$ 55,00, por pessoa

FORMAS DE PAGAMENTO:


Até o dia 30 de outubro - Pagamento por meio de cartão de crédito (todos), boleto ou transferência bancária, no link do Pag Seguro, abaixo, ou clique na página: http://www.cmminterativa.com.br/site/osny_ramos.php
No evento, em dinheiro.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Na cabeça!

Quando a gente fala que emagrecer é uma questão de cabeça, é verdade. Foi descoberto no cérebro a chave para perder peso e não voltar a engordar novamente.
Um artigo publicado na Nature, traz o mecanismo relacionado a susceptibilidade genética de um indivíduo tornar-se obeso.
Um grupo de pesquisadores de renomadas instituições como a Columbia University,International Medical Center of Japan, Eunice Kennedy Shriver National Institute of Child Health and Human Development, Harvard Medical School, coordenados pelo Dr. Domenico Accili abre novas perspectivas terapêuticas na abordagem da obesidade através da Carboxipeptidase E (Cpe).
O artigo diz respeito ao gene da susceptibilidade para a obesidade, ou Cpe que se relaciona a sinalização FoxO1 nos neurônios pro-opiomelanocortina hipotalâmicos alterando a regulação da ingestão de alimentos.
A redução na ingestão de alimentos faz com que aconteça uma resposta adaptativa com redução nos gastos energéticos o que é fator determinante nas rescidivas de ganho de peso após dietas hipocalóricas.
A insulina e a leptina inibem a ingesta através de sua ação no SNC, parcialmente mediada pelo fator de transcrição FoxO1. O trabalho dos pesquisadores demonstrou que a ablação do FoxO1 nos neurônios pro-opiomelanocortina (em camundongos) aumentavam a expressão da Carboxipeptidase E (Cpe) resultando em um aumento seletivo de Hormônio estimulante do melanócito (Msh) e da clivagem da carboxi-endorfina, produtos dependentes da Cpe.
Este perfil neuropeptídeo está associado a diminuição de ingestão de alimentos e consumo mantido de enrgia nos camundongos.
Os pesquisadores evidenciaram que a expressão da Cpe é diminuída na obesidade rescidiva pós dieta e que a supressão do FoxO1 compensa a diminuição, protegendo contra o ganho de peso.
Segundo os pesquisadores, estes achados podem fornecer um modelo para uma intervenção terapêutica para a obesidade através da Cpe.

Mais uma esperança para a legião de gordinhos que passaram a vida fazendo dietas e recuperando tudo no efeito estilingue.

Para saber mais:

The obesity susceptibility gene Cpe links FoxO1 signaling in hypothalamic pro-opiomelanocortin neurons with regulation of food intake
Leona Plum, Hua V Lin, Roxanne Dutia, Jun Tanaka, Kumiko S Aizawa1, Michihiro Matsumoto, Andrea J Kim, Niamh X Cawley, Ji-Hye Paik, Y Peng Loh, Ronald A DePinho, Sharon L Wardlaw, Domenico Accili

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

A dor e a alegria de ser o que se é.

Hoje não vou falar de artigos científicos, mas de uma coisa que vem me incomodando tanto. Tenho visto com preocupação os efeitos do excesso de "perfeição corporal" sobre as mentes de nossas crianças.
Certos comentários que ouço de minha filha, de suas primas e amiguinhas, acendem o meu sensor de alarme e tento, dentro das minhas possibilidades, dimensionar as coisas para um parâmetro real. Mas confesso que é bem difícil, em especial quando todas as mídias vendem uma imagem impossível de ser atingida na vida real (e natural) e criam semi-Barbies, gente de plástico, sem rugas e sem expressão.
Elas querem já, aos sete, seis, cinco anos, uma imagem corporal compatível com uma modelo de passarela e sofrem pois não encontram do outro lado do espelho aquilo que imaginam como "ideal", mesmo sendo crianças perfeitamente normais, dentro da curva de desenvolvimento adequado para a idade, com um BMI mais do que ótimo.
O que vai ser destas meninas quando chegarem na adolescência e não couberem no "modelo perfeito"?
Vejo que existe uma imensa preocupação com a forma e pouca ou nenhuma com os modos.
Ninguém mais se preocupa com a elegância das maneiras, mas de uma forma banalizada e superficial, só com a forma.
Alguém se lembra da Socila? Onde as moçoilas aprendiam a mover-se e comportar-se, mais do que desfilar na passarela? Já ouviram falar de uma senhora chamada Maria Augusta Nielsen?
Polidez, etiqueta e elegância foram substituídas por silicone, botox e lipoescultura. Mas será que a troca valeu a pena?
Vi o putifério que desencadeou a imagem de uma modelo, Lizzie Miller, na "Guardian", "gorda demais" para ser uma modelo de tamanho XL (se ela é gorda, o que será de mim?)!
Me parece que as pessoas normais perderam o senso de realidade e acreditam realmente que podem ser o que vêem nas revistas de moda.
Lamento informar: ninguém é perfeito. Todos temos alguma coisa que gostaríamos de mudar em nosso aspecto. Mas somos quem somos, e podemos ser melhores em nosso modo de fazer as coisas. Podemos nos tornar seres elegantes e interessantes sendo o que somos, apesar de nossos defeitos, nossas rugas, nossos cabelos que encolhem na chuva, nossa celulite.
E para quem acha que não, acabei de ver uma reportagem na Época on line muito válida para dimensionar os efeitos e "defeitos" especiais que se usam largamente na edição de fotografias.
Deixo o link para vocês verem.
Não deixem de assistir aos videozinhos. Você vai ver a perfeição muito mais imperfeita do que está habituada.
Quem sabe você não descobre uma "Gisele" em você.


Revista Época:
http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI79086-15228-1,00-ISABELI+RAQUEL+RAICA+E+OUTRAS+BELAS+FOTOGRAFAM+SEM+RETOQUE.html

The Guardian:
http://www.guardian.co.uk/lifeandstyle/2009/sep/02/lizzie-miller-model-fat

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

No Journal of Alzheimer’s Disease, um artigo de Ming Tong e colaboradores do Dep. de Neuropatologia da Warren Alpert Medical School-Brown University sobre os efeitos das nitrosaminas sobre a resistência insulínica me chamou bastante a atenção.
Como se sabe, recentemente estamos diante de uma sorte de "epidemia" de doenças relacionadas à resistência insulínica: Diabetes melitus do tipo 2 (DM2), Esteato-hepatite não alcoólica (NASH), e também Doença de Alzheimer (DA). Os autores afirmam que a exposição às nitrosaminas seriam uma causa de resistência insulínica.
A Estreptozotocina, uma molécula relacionada às nitrosaminas, já havia sido investigada pelo grupo que concluiu que causava resistência insulínica inclusive neurodegeneração do tipo Alzheimer. Os autores então hipotizaram que a exposição crônica às nitrosaminas poderia contribuir para a patogênese destas três síndromes e para isto expuseram ratos a um tratamento com N-nitrosodietilamina (NDEA) e após 2-4 semanas estes animais foram avaliados para disfunção cognitiva e motora, resistência insulínica e degeneração neural usando abordagem comportamental, bioquímica e molecular. Os ratos tratados apresentaram deficits na função motora e no aprendizado espacial, peroxidação lipídica, perda celular, níveis aumentados de proteína precursora de amiloide-β, amiloide-β fosfo-tau e imunoreatividade da ubiquitina, alteração da expressão (upregulation) das citocinas pró-inflamatórias e dos genes pró-ceramidas, que juntos levam à resistência insulínica. O tratamento causou diabetes do tipo 2 e esteatose hepática.
Em base a estes resultados, os autores concluiram que a exposição ambiental às fontes dietéticas ou não de nitrosaminas são um fator crítico para a patogênese destas síndromes e que uma maior detecção, e consequentemente prevenção, poderia ser útil no combate a esta epidemia.

*Nitrosaminas são encontradas facilmente em alimentos processados e também em cosméticos. São também produzidas em nossos corpos (suco gástrico).
Fontes comuns de nitrosaminas:
Alimentos: bacon frito, cerveja, leite em pó, salames, salsichas, alimentos curados.
Exposição ocupacional: produtos derivados do tabaco, do látex, indústria da borracha, metalúrgicas, pesticidas, indústrias químicas, cosméticos.

O que procurar e evitar nos rótulos de cosméticos (INCI):
Bronopol (2-bromo-2-nitropropane-1,3-diol)
Brononitrodioxane
Cocamidopropil betaíne
DEA (e condensados)
DEA-sodium lauryl sulfate
Morpholine
Padimate-O (octyl dimethyl PABA)
Quaterniums
TEA


Para ler o artigo:
Tong M, Neusner A, Longato L, Lawton M, Wands JR, de la Monte SM.
Nitrosamine Exposure Causes Insulin Resistance Diseases: Relevance to Type 2 Diabetes Mellitus, Non-Alcoholic Steatohepatitis, and Alzheimer's Disease.
J Alzheimers Dis. 2009 Jun 19.

* "Mamãe passou açúcar em mim", Copyright: S. Goraieb,2006

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Dióxido de Titânio nanomizado.

De um artigo da Toxicology and Applied Pharmacology realizado por um grupo de pesquisadores do Institute of Biomedical Sciences, National Chung Hsing University de Formosa, um alerta para o possível risco das partículas nanomizadas de Dióxido de Titânio (TiO2 <100 nm de diâmetro).

O Dióxido de Titânio nanomizado está presente em uma série de produtos, inclusive cosméticos e farmacos, por ser considerado de "baixa toxicidade". No entanto estudos recentes tem mostrado que as nanopartículas de TiO2 (nanoTiO2) induzem citotoxicidade e genotoxicidade em várias linhagens de culturas de células, assim como possuem potencial carcinogênico em modelos animais.
O papel biológico das nanopartículas de TiO2 se demonstraram controversas e não foi possível estabelecer um paradigma para investigar seus mecanismos moleculares.
No estudo, os autores demonstram que a exposição a curto prazo ao nanoTiO2 aumenta a proliferação celular, a sobrevida celular, a ativação da sinalização ERK e a produção de radicais livres de Oxigênio em cultura de fibroblastos. A exposição a longo prazo ao nanoTiO2 não apenas aumentou ainda mais a sobrevivência e crescimento das células em cultura, mas também o número de células multinucleadas e os micronúcleos, como visto pelos autores através de análise de microscopia confocal. A análise das fases do ciclo celular mostraram atraso G 2/M e uma maior lentidão na divisão celular na exposição por longo prazo. De relevância para os autores é que a exposição por longo prazo afeta de forma notável a progressão mitótica na anáfase e na telófase, levando a aberrações, como a formação fusos multipolares e alterações no alinhamento e segregação da cromatina. A enzima PLK1 demonstrou-se alvo para as nanopartículas de TiO2 na regulação da progressão mitótica e da saída da mitose. Uma grande fração da população sub-G1 apareceu nas células expostas após a liberação da sincronização de G2/M.
Os autores concluem que os resultados observados na exposição a longo prazo ao nanoTiO2 atrapalha a progressão dos ciclos celulares e duplica a segregação do genoma, levando a instabilidade cromossômica e transformação celular.


Sinceramente, você ainda faz questão de um bloqueador solar transparente?



Para ler mais:

Huang S, Chueh PJ, Lin YW, Shih TS, Chuang SM
Disturbed mitotic progression and genome segregation are involved in cell transformation mediated by nano-TiO2 long-term exposure.
Toxicol Appl Pharmacol. 2009 Aug 18.

Divulgação: corantes naturais

Já havia divulgado aqui no primeiro curso.
Agora recebi a notícia que estão abertas novas matrículas para a Oficina com Corantes Naturais. Quem tiver interesse, corra que ainda dá tempo.

_ Módulo I_ Setembro e Outubro 2009 na ETNO BOTANICA PESQUISA E INOVAÇÃO TECNOLOGICA LTDA.
Tingimentos de Fios e Tecidos de Origem Natural_ (Algodão_Lã_ Seda ) com Corantes Naturais_ Instrutor: Eber Lopes Ferreira

Objetivos:

Divulgar as técnicas de utilização dos corantes naturais, utilizando matérias-primas da flora brasileira, resgatando assim uma tradição cultural através de suas cores nativas.
Capacitar artesãos, estudantes de moda, decoração e design sobre este conhecimento.
Uso de produtos naturais, reduzindo a emissão de efluentes químicos (corantes sintéticos e produtos auxiliares nocivos), melhorando a qualidade de vida e atendendo a crescente demanda de produtos fabricados de acordo às normas e conceitos de preservação ambiental e respeito social.
Promover o desenvolvimento da cadeia produtiva de forma sustentável, com o uso de plantas cultiváveis e de reflorestamento.
Agregar valor econômico e cultural aos produtos coloridos de forma limpa no âmbito social e ambiental.

Segundas e sextas: 02 turmas/ 02 Horários:
Horário Manhã : 08:30 ás 12:00 hs/ Horário Tarde : 14:30 ás 18:00 hs
Aulas:11,14,18,21,25,28 de Setembro,02,05,09,16,19 e 23 de Outubro.

Intensivo aos Sábados: 01 turma/ 01 Horário.
Horário: 09:00 ás 12:30 hs _( Intervalo )_13:30 ás 18:00 hs
Aulas: 12 e 26 de Setembro,10,24 e 31 de Outubro.

Investimento: R$ 900,00 _ (Incluso Apostila e Materiais aulas práticas, vide conteúdo abaixo)
Forma de pagamento:
À vista 10% desconto( 810,00)
Parcelado 2X, 1+ch 30 dias.

ATELIER ETNO BOTÂNICA - CORES NATURAIS_
Rua Morás, no. 469 _Bairro: Vila Madalena_
São Paulo - SP, CEP 05434-040_
Info: Leka Oliveira 11. 9314 078_8081 9578
corantesnaturais@gmail.com

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Há 70 anos...

iniciava a Segunda Guerra Mundial com o bombardeamento de Westerplatte, Polonia.
Não podia passar em branco.

Tireoide plastificada

Um grupo de pesquisadores do Key Laboratory of Reproductive Medicine, Institute of Toxicology, Nanjing Medical University, na China, nos traz um trabalho publicado na Toxicology Letters sobre os efeitos in vitro dos ftalatos.
Os autores avaliaram a atividade hormonal do dibutil ftalato (DBP), mono-n-butil ftalato (MBP) and di-2-etilhexil ftalato (DEHP) através de ensaios do gene reporter da luciferase.
Os resultados mostraram que DBP, MBP e DEHP, não somente exibiam uma potente atividade antiandrogênica como também possuiam atividade androgênica. Os autores observaram também que todos os três possuiam atividade antagonista do receptor tireoideo (TR) e que nenhum deles possuia atividade agonista, o que sugere que os receptores tireoideos sejam o alvo destas substâncias químicas industriais.
Nos ensaios do gene reporter do receptor estrogênico mediado, o DBP demonstrou-se fracamente estrogênico na concentração de 1.0x10(-4)M.
Segundo os autores os resultados demonstram que os três ftalatos poderiam simultâneamente interferir na função de um ou mais receptores hormonais, e assim estes compostos deveriam ser considerados nos paineis de risco para a saúde humana.

Para saber mais:

Shen O, Du G, Sun H, Wu W, Jiang Y, Song L, Wang X.
Comparison of in vitro hormone activities of selected phthalates using reporter gene assays.
Toxicol Lett. 2009 Jul 28.

e leia também:

Chin Jia Lin, Angela Silva Barbosa
Técnicas de Análise da Regulação da Transcrição Gênica e suas Aplicações na
Endocrinologia Molecular - REVISÃO, disponível no Scielo (grátis):http://www.scielo.br/pdf/abem/v46n4/12788.pdf

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Genisteína, efeitos no desenvolvimento embrionário

A Genisteina (GNT), uma isoflavona natural, composto encontrado em produtos derivados da soja, afeta várias funções celulares, incluindo proliferação, diferenciação e morte celular.
Pesquisadores da Chung Yuan Christian University de Formosa, particularmente do Bioscience Technology and Center for Nanotechnology, emcabeçados por Wen-Hsiung Chan, vem elucidando aspectos não tão brilhantes da exposição a este composto.
Já em um estudo anterior, eles haviam assinalado os efeitos citotóxicos da genisteína nos blastocistos de camundongos e sua associação com defeitos no seu desenvolvimento in vitro. Em um novo artigo, apenas publicado, eles investigaram os efeitos da GNT na maturação do oocito e subsequentemente o desenvolvimento pré e pós implantação, tanto in vitro como in vivo.
Os pesquisadores observaram que a genisteína induziu a uma redução significante na taxa de maturação dos oocitos, de fertilização e de desenvolvimento embrionário in vitro. A exposição de oocitos à genisteína durante a maturação in vitro (IVM) levava a um aumento na reabsorção dos embriões pós-implantados e uma diminuição do peso fetal e placentário.
Em um modelo in vivo (camundongo), os pesquisadores demonstraram que o consumo de água contendo genisteína levou a uma diminuição da maturação e da fertilização in vitro, como também lesões precoces de desenvolvimento. Eles acreditam, em base a seus achados, que tenha acontecido uma inibição seletiva dos receptores do ácido retinóico nos blastocitos tratados com genisteína durante a maturação do oocito.
O artigo foi publicado na Reproductive Toxicology de Julho.

Para ler mais:

Chan WH.
Impact of genistein on maturation of mouse oocytes, fertilization, and fetal development.
Reprod Toxicol. 2009 Jul;28(1):52-8.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009



No vídeo o Dr. Robert M. Carey, presidente da "Endocrine Society", anuncia o primeira declaração científica da Sociedade em relação aos interferentes hormonais e em seguida o Dr. Hugh Taylor, professor, pesquisador e endocrinologista reprodutivo na Yale University, dá uma entrevista sobre conselhos em relação ao bisfenol A.
O som não é esplêndido, infelizmente e o vídeo é em inglês, mas representa uma importante tomada de posição.

Para saber mais: http://www.endo-society.org/

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Publicidade (de alimentos) para crianças

É com prazer que li no blog da Maria Inês Dolci que os publicitários decidiram criar um código de conduta antecipando a ANVISA no que concerne a propaganda de alimentos ricos em sódio, açúcares, gorduras saturadas e trans e bebidas (refrigerantes e afins) com baixo teor nutricional.
Quem quiser ler o artigo: http://mariainesdolci.folha.blog.uol.com.br/arch2009-08-23_2009-08-29.html

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Notícias da ANVISA

Na tentativa de reduzir a compra por impulso e a automedicação, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária baixou novas normas para regulamentar os medicamentos OTC, que passarão a ser solicitados ao atendente no balcão (não necessariamente um farmacêutico diplomado). Segundo a agência o consumidor tem o direito a ser orientado em sua compra. Eu particularmente acrescento, desde que por alguém cuja competência em matéria seja superior a sua própria.
Para saber mais sobre este tema: http://www.anvisa.gov.br/divulga/noticias/2009/210809_1.htm

Foi proibida a propaganda e comercialização do Atroveran Plus, houve divergência entre a formulação do medicamento "composto" e do "plus", contendo o primeiro dipirona e o segundo paracetamol, podendo fazer com que o consumidor leigo entenda que o segundo é "mais forte" do que o primeiro, induzindo ao erro.
Para saber mais: http://www.anvisa.gov.br/divulga/noticias/2009/190809_2.htm

Uma proposta para regulação da propaganda de alimentos está em andamento. Era hora.
http://www.anvisa.gov.br/divulga/noticias/2009/200809_1.htm

A Agência também está tentando reduzir a informalidade nos detergentes e amaciantes, disponibilizando on line a petição para registro. Isto aumenta o controle e a segurança destes produtos e consequentemente a do consumidor final, a do ambiente enfim, é uma coisa positiva. Só cria problema para quem faz o produto, pois deve se enquadrar nas exigências legais, mas vale a pena. Se você conhece quem faz detergentes e amaciantes, estimule o registro do produto. Vai ser bom para todo mundo.
Para saber mais: http://www.anvisa.gov.br/divulga/noticias/2009/190809_3.htm

sábado, 22 de agosto de 2009

Viva a sinceridade!



A mãe pergunta: -"Você gosta de mim?"
E ele responde: "-Só quando você me dá biscoitos!"

O garoto não tem vocação para político, ou tem?

Bom final de semana!

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Tox21, as novas dimensões dos testes toxicológicos

O que há de novo na abordagem toxicológica?
O texto publicado na EHP traz uma panorâmica sobre as novas formas de abordar a toxicidade.
Aos interessados, recomendo a leitura do texto completo.
É gratuita, em inglês, e pode ser descarregada em: http://www.ehponline.org/members/2009/117-8/EHP117pa348PDF.PDF

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Influenza e Meteoropatia

Na etimologia médica o termo "influenza", originario do italiano (do latim influentia), designava originalmente (no sec. XVIII) um estado patológico que associava distúrbios físicos a eventos astrológicos, como bem descrito no blog História da Medicina do Dr. Elvio Tuoto.
Com o tempo e a descoberta do agente etiológico, o vírus passou a ser denominado "influenza" e a influenza passou a se chamar popularmente "gripe".

Porém o curioso é que de fato existe uma entidade clínica cujas manifestações estão ligadas a mudanças climáticas. Esta patologia se denomina meteoropatia.
Não, meteoropatia não são as lesões provocadas pela queda de um meteoro na cabeça de ninguém, embora quem a sofra sinta um profundo desconforto.
Esta patologia ocorre em indivíduos predispostos que manifestam os sintomas geralmente pouco antes da mudança climática, apresentando uma fase aguda durante o evento seguido da atenuação e desaparecimento dos sintomas coincidente com o fim do evento climático.
Os sintomas variam de indivíduo para indivíduo e incluem irritabilidade, nervosismo, insonia, desânimo, cansaço e apatia com sintomas depressivos na fase aguda, digamos, uma quase TPM climática. Geralmente ocorrem ligados à baixa pressão atmosférica com fenômenos ventosos, chuvosos e temporalescos.
Alguns indivíduos, já portadores de doenças crônicas podem ter piora em seus quadros clínicos sazonais, como no início da primavera, causando agravamento em quadros como hemicranias, asma, artrose, reumatismos, alergias, dispepsia, uro ou nefrolitíase e colelitíase e neste caso se configura a meteoropatia secundária.
A causa provável da meteoropatia está relacionada a neuroregulação da adenohipófise e ao stress adaptativo.
Existe um teste diagnóstico (Gualtierotti-Tromp) para determinar se o indivíduo é meteoropático, não invasivo, que acessa basicamente a capacidade de termoregulação, que nos indivíduos sensíveis é menos eficaz.



Eu descobri ser meteoropática há alguns anos por conta do Scirocco, vento que sopra do Norte da Africa em direção à Italia e traz nuvens de areia do deserto.
Considerando as mudanças climáticas em curso no planeta, talvez valha a pena estarmos cientes desta "influenza" também.

Para saber mais sobre meteoropatia(site em italiano): http://www.naturmed.unimi.it/meteolab_biometcl.html

Para ler sobre história da Medicina:
http://historyofmedicine.blogspot.com/2009/08/origem-dos-termos-influenza-e-gripe.html

Foto: Scirocco, Sirenetta (sirenetta.splinder.com).

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Quando o excesso dita a regra

O World Cancer Research Fund alerta: comer embutidos demais pode levar a cancer de colon e sugere aos pais que reduzam a frequência em que oferecem aos seus filhos presunto, carnes salgadas, salames, salsichas e etc, substituindo por carne de frango ou peixe, queijo "magro", pasta de grão de bico, ou mesmo carne magra...
O assunto não é novo. Na verdade sabe-se que os conservantes em excesso colocados nestes produtos industrializados podem induzir a neoplasias em adultos. A mesma instituição conduziu no ano passado um amplo estudo sobre este tema, mas agora alerta que é necessário "educar" as crianças para que o risco a longo prazo seja reduzido.
O WCRF desde 1997 recomenda que a dieta equilibrada e rica em frutas e verduras pode ser de grande auxílio na prevenção de vários tipos de cânceres e de outras doenças degenerativas.
O órgão também alerta que deve ser evitado o consumo de peixes e carne cozidos em altas temperaturas, na grelha ou defumados.
É importante manter o peso-forma, fazer atividade física e evitar excessos.
Nada que o bom senso não recomende.

Para saber mais:

http://www.wcrf.org/

Para ler a notícia no site da BBC: http://news.bbc.co.uk/2/hi/health/8202188.stm

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Menos testes desnecessários em animais!

Pela primeira vez após o REACH a European Chemicals Agency está predispondo uma consulta pública sobre uma específica substância de modo a evitar testes desnecessários em animais.
Os fabricantes e importadores de substâncias químicas são obrigados pelo protocolo REACH, atualmente em vigência na UE, a fornecer o relatório (dossier) de toxicidade dos produtos que elas desejem registrar. Este dossier deve ser submetido a ECHA, incluindo o relatório dos efeitos sobre a saúde humana e ambiental.
Se a empresa considera que é necessária uma maior investigação, é necessário que eles enviem o pedido à ECHA sugerindo um protocolo de pesquisa específico e os testes necessários, para que sejam avaliados e aprovados pela agência. Então a agência levanta o máximo de informação sobre a substância em questão, para verificar se DE FATO os testes complementares são NECESSÁRIOS.
Para isto todas as pessoas e organizações que possuam informações relevantes sobre a toxicidade de uma determinada substância colocada em consulta pode enviar seus dados, desde que estes sejam relevantes científicamente.
Atualmente a ECHA está aberta para consulta sobre uma substância presente em lubrificantes.
Todas as pessoas que possuam dados relevantes de toxicidade da substância em questão ( neste caso a substência genérica: “hydrogenated oligomerisation product including dimers
and trimers, of tetradec-1-ene and alkene”, ou seja produtos oligomerizados e hidrogenados, dímeros e trímeros de tetradec-1-eno e alqueno) são convidados a comunicar seus achados, em especial no que concerne a toxicidade reprodutiva e efeitos sobre a saúde.
Como o fabricante propôs testes em vertebrados como parte do protocolo para determinar se a substância é ou não perigosa para o sistema reprodutor, e assim sendo, a ECHA deve avaliar a adequação destes protocolos, emendá-los, rejeitá-los ou aceitá-los.
Este mecanismo vai restringir os testes em animais, fazendo uma análise crítica do que já existe e evitando uma repetição destes testes.
Vai poupar vidas e tempo.

Para maiores informações: http://echa.europa.eu/home_pt.asp

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Efeitos de longo prazo sobre o comportamento e a fisiologia reprodutiva por interferentes hormonais

Este é o título do artigo de duas pesquisadoras do North Carolina State University em Raleigh, as Dr.as Heather B. Patisaul e Heather B. Adewale, publicado no "Frontiers in Behavioral Neurosciences" de Junho.
As autoras abordam a interferência endócrina e seus efeitos sobre o feto, cujas manifestações podem levar décadas para serem evidenciadas além de abordar a influência destas experiências precoces no comportamento e na fisiologia reprodutiva através de mecanismos epigenéticos (tais como acetilação de histonas e metilação do DNA, por exemplo).

Para os fãs da soja na alimentação infantil, vale dar uma olhadinha (ver genisteína).

Para saber mais, o artigo (em inglês) está disponível gratuitamente em: http://www.pubmedcentral.nih.gov/picrender.fcgi?artid=2706654&blobtype=pdf.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

De volta

Depois de um período de férias retorno hoje ao blog.
Vi algumas notícias preocupantes no noticiário brasileiro, embora meu acesso fosse restrito:
Faz 3 meses houve uma denúncia sobre a presença de benzeno, substância cancerígena, em refrigerantes de larga distribuição em todo o território nacional.
No entanto, apesar deste achado no mínimo desconfortante, nada foi feito no sentido de eliminar dos produtos este contaminante.
A gripe A está entre nós, com todas as paranóias de uma pandemia. Recordo que as medidas de precaução são as mesmas que para uma gripe comum e já foram descritas neste blog em post anterior.
A partir de amanhã trarei novos artigos e comentários.
Sob efeito do jet-lag deixo meu abraço a todos. Até!

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Pausa para meditação

Queridos amigos, gente que acompanha este blog, leitores ocasionais: durante o mês de julho as postagens serão menos frequentes. Vou estar fora do ar. Espero poder postar alguma coisa, mas se não for possível, retorno em agosto com novidades.
Boas férias para todos nós!

Mas antes de ir deixo aqui uma matéria que a Sheila (obrigada!) me enviou. Não sei se é protegida por copyright, então cito a fonte. De qualquer forma achei muito válido o texto e é justo divulgá-lo:


--------------------------------------------------------------------------------
Ministério do Meio Ambiente lança campanha pela redução do uso de sacolas plásticas

Iniciativa tem apoio do Wal-Mart e pretende sensibilizar consumidores brasileiros sobre os danos do consumo exagerado do material

O Ministério do Meio Ambiente (MMA), em parceria com entidades privadas, entre elas a rede Wal-Mart (parceiro estratégico do Instituto Akatu), lançou no dia 23 de junho a campanha nacional "Saco é um saco" com objetivo de incentivar os consumidores a reduzir o uso de sacolas plásticas. Com a iniciativa, o MMA pretende enfrentar o impacto ambiental do consumo exagerado de sacolas plásticas, conscientizando e incentivando os consumidores a usarem alternativas para o transporte das compras e acondicionamento de lixo domiciliar.

Veja aqui a entrevista sobre a campanha que o Ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, concedeu ao site do Instituto Akatu.

Segundo a Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), o Brasil consome 12 bilhões de sacolas plásticas por ano. As sacolas descartadas incorretamente entopem bueiros e poluem rios, lagos e mares. Dados do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) indicam que sacolas plásticas estão chegando a locais distantes, considerados paraísos ecológicos e turísticos.

A campanha será veiculada em diversas mídias (televisão, jornal, revistas, rádio, internet, marketing viral e cinema) de forma simultânea, de modo a atingir todos os públicos, principalmente donas de casa, jovens e pessoas que residem em cidades grandes, onde o consumo é mais intenso.

O Wal-Mart apoiará todas as fases da campanha e financiou a criação e produção das peças para divulgação como filmes, anúncios em revistas e folhetos.

Sacolas plásticas viram sacos de lixo

Uma pesquisa realizada pelo Ibope, em São Paulo, revelou que 100% dos consumidores entrevistados reutilizam as sacolas plásticas em casa como sacos de lixo. Essa é a opção da pesquisadora Luana Mendieta Cinoto, 29 anos. Ao carregar as compras do supermercado, ela leva uma mochila e uma sacola retornável, tudo para usar o menor número possível de sacolas plásticas. Entretanto, os sacos plásticos são a única solução que a pesquisadora — e milhões de consumidores brasileiros — encontraram para o acondicionamento de lixo dentro de casa. "Só pego sacolas no supermercado para jogar lixo orgânico. A meu ver, é a única solução higiênica possível no Brasil", afirma Luana.

Para Ana Maria Luz, presidente do Instituto GEA, instituição que promove a cidadania através da educação ambiental, o uso de sacolas plásticas para o acondicionamento do lixo comum é um jeito de prolongar a vida útil do material, "o que já é bastante positivo", garante.

Além disso, essa prática garante que esse material seja descartado em aterros sanitários ou lixões e não em vias públicas, o que traria danos como entupimento de bueiros e as conseqüentes enchentes. "O que faz da sacola plástica uma vilã para o meio ambiente são o uso e o descarte incorretos", defende Ana Maria.

Dicas para usar corretamente ou não usar as sacolas plásticas

1. No supermercado, pegue apenas a quantidade de sacolas plásticas adequada às compras, não em excesso;

2. Sempre reutilize as sacolas plásticas em casa;

3. Se não reutilizar, encaminhe-as para reciclagem;

4. Descubra alternativas para a sacola plástica, como a sacola durável. Procure carregar as pequenas compras, como revistas ou caixa de remédios, na própria bolsa ou na mochila;

5. Para as compras maiores, além da sacola durável, são boas opções o velho carrinho de feira ou caixas de papelão que o próprio supermercado pode oferecer;

6. Reduza a quantidade de lixo que você produz em casa. Assim, precisará de menos sacos plásticos para descartá-lo. Uma forma de diminuir a quantidade de lixo é evitar produtos com excesso de embalagem. Outra maneira é evitar o desperdício de alimentos, o que se consegue com atitudes simples como: planejar o cardápio da semana, planejar as compras e reaproveitar as sobras das refeições.

Fonte: http://www.akatu.org.br/central/especiais/2009/ministerio-do-meio-ambiente-lanca-campanha-pela-reducao-do-uso-de-sacolas-plasticas

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Um dia para dar exemplo

Hoje é o dia internacional de combate às drogas. Na verdade seria o dia de combate ao vício, ao mau uso de substâncias que usadas de forma inadequada provocam danos.
E isto se aplica tanto às drogas legais, quanto às drogas ilegais.
O que são as drogas legais? Tabaco, álcool, medicamentos.
Apesar de legitimadas, também são drogas. Também causam danos.

Vou abrir um parêntese e chamar a atenção para os remédios chamados OTC, ou "over the counter", aqueles que você compra livremente na farmácia. Eles também são drogas. Quando usados sem indicação precisa, trazem somente danos.
No Brasil existe um abuso do uso de medicamentos, inclusive os passíveis de controle como antibióticos. Deveríamos ser mais criteriosos ao dispensar e prescrever estes medicamentos.
Somos os campeões de consumo de drogas para controle de apetite.
E quero lembrar que fitoterapêuticos também são drogas.
Então, vamos usar estas drogas somente quando indicadas e sob orientação e supervisão de um profissional médico, para fins terapêuticos. Nunca porque o vizinho do primo do cunhado do meu melhor amigo disse que era bom para mim.

Combater o uso indiscriminado de drogas começa pelo exemplo que damos dentro de casa. Quando nos recusamos a nos automedicar, quando não nos embebedamos diante de nossos filhos, quando não fumamos, quando ao invés da pílula para emagrecer vamos fazer uma caminhada ou fazer esporte ao ar livre.
Não é "carolismo", é exemplo. É isto que vai fazer a diferença.

Heal The World



Para quem viveu os anos 70 e 80 e teve Michael Jackson como coluna sonora de coisas importantes na própria vida.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Santo de casa.

Me chamou a atenção o artigo "Components of plastic: experimental studies in
animals and relevance for human health" publicado pela Philosophical Transactions of the Royal Society - B onde dois co-autores são brasileiros. Um deles da Universidade Federal do Paraná e o outro da Fiocruz. O artigo é bem escrito e aborda vários agentes tais como ftalatos, bisfenol, retardantes de chama,...
A referência é:

Talsness CE, Andrade AJ, Kuriyama SN, Taylor JA, vom Saal FS
Components of plastic: experimental studies in animals and relevance for human health.
Philos Trans R Soc Lond B Biol Sci. 2009 Jul 27;364(1526):2079-96

Finalmente alguém por aqui resolve publicar sobre o tema.

terça-feira, 23 de junho de 2009

Para quem está na região de Campinas

No dia 27, sábado, às 10:00hs, no Centro de Convivência, vai haver uma apresentação folclórica de um grupo de "Sbandieratori della Toscana" promovido pelo Vice-consulado Italiano, pela Câmara de Comércio Brasil-Italia de Campinas e pela Associação Lucchesi Toscani nel Mondo.
É uma bonita demonstração de destreza e uma manifestação festiva típica do período medieval. O intuito é difundir a cultura italiana e confraternizar os cidadãos italianos e seus descendentes.
A entrada é gratuita. As crianças costumam gostar muito.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

O formol está proibido para a venda!

"...Está proibida em todo o país a venda de formol em drogaria, farmácia, supermercado, armazém e empório, loja de conveniência e drugstore. De acordo com a RDC 36/09 aprovada pela Diretoria Colegida da Anvisa, o formol, ou formaldeído (solução a 37%), não pode estar disponível em nenhum destes estabelecimentos"...
O uso inadequado de formol em procedimentos de estética fez com que a agência tomasse esta decisão.
O formol, substância cancerígena e sujeita a regulamentação em sua utilização, vinha sendo usada indiscriminadamente em procedimentos popularmente conhecidos como “escova progressiva”, com a finalidade de alisar os cabelos acarretando sérios riscos à saúde. A adição de formol como forma de adulteração de produtos cosméticos é considerado crime hediondo pelo Código Penal Brasileiro.
Os estabelecimentos abrangidos pela resolução terão o prazo de 180 (cento e oitenta) dias para promover as adequações necessárias.
Esta notícia é do site da ANVISA que também disponibiliza para consulta uma cartilha sobre os perigos do uso desta substância em produtos alisantes. O link é:http://www.anvisa.gov.br/cosmeticos/alisantes/folder_formol_alisante.pdf
A resolução merece aplausos!

Para ler o Diário Oficial da União: http://www.in.gov.br/imprensa/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=47&data=18/06/2009

sábado, 20 de junho de 2009

No blog da Pat Feldman

Se vocês tiverem interesse em ração para animais, vão dar uma olhadinha no blog (sempre delicioso) da Pat Feldman: Crianças na Cozinha.
O link é o que se segue: http://pat.feldman.com.br/?p=6470#more-6470

Bom fim de semana!

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Um sexto do mundo

Um bilhão (1,02) de pessoas são subnutridas no mundo.
É a primeira vez que se atinge esta cifra. A FAO dá a culpa à crise econômica, que arrastou mais 100 milhões de pessoas para a fome desde o ano passado.
A maior dificuldade é para a população de baixa renda nos países em desenvolvimento, pois usam mais de 60% de seus recursos em alimentação. Embora os preços tenham tido uma diminuição nos últimos meses, quando se compara os preços com os anos precedentes se observam aumentos de 24% em relação a 2006, e 33% em relação a 2005, valores que pesam muitíssimo no orçamento destas famílias.
A maior parte desta população de famintos encontra-se na Asia (642 milhões) e na Africa Sub-sahariana (265 milhões). Na América Latina e Central estima-se 53 milhões de afamados. No Oriente Médio e no Norte da Africa são 42 milhões. Mesmo nos países desenvolvidos, a fome atinge 15 milhões de pessoas.
A fome é mais frequente entre a população rural dos países pobres, que potencialmente poderiam produzir seu próprio alimento e até contribuir para um crescimento econômico regional e uma maior segurança alimentar, segundo a FAO.
O relatório sobre a fome no mundo, o SOFI, será publicado em Outubro.

Mais um bom motivo para combatermos o desperdício e ensinarmos nossas crianças uma relação de respeito para com o alimento.

Inseticidas e Leucemia

Trabalho realizado por pesquisadores de diversas instituições americanas, entre elas a Division of Cancer Epidemiology and Genetics do National Cancer Institute, National Institutes of Health, Department of Health and Human Services; da School of Public Health da University of California–Berkeley; Northern California Cancer Center; Children’s Hospital of Central California de Madera e do Battelle Memorial Institute de Columbus, investiga as relações entre a exposição residencial a inseticidas e o risco de leucemia na infância.
Os autores justificaram o estudo por conta do aumento significativo da incidência de casos de leucemia em países desenvolvidos entre 1975 e 2004 cujas causas não foram claramente estabelecidas.
Eles usaram pó de carpetes como indicador de exposição para examinar o risco de leucemia na infância em relação à exposição residencial a substâncias químicas organocloradas, entre estas seis PCBs (Polifenois biclorados) e os pesticidas alfa e gama clordane, p,p′-DDT (diclorodifeniltricloroetano) , p,p′-DDE (diclorodifenildicloroetileno) , metoxiclor e pentaclorofenol.
O estudo foi realizado em 35 regiões da California setentrional e central durante os anos de 2001 a 2006 e incluiu 184 casos de Leucemia Linfocítica Aguda (LLA) na idade de 0 a 7 anos.
Os autores observaram que a detecção de qualquer PCB na poeira dos carpetes nas salas onde as crianças passavam a maior parte do tempo, aumentou em 2 vezes o risco de LLA (OR= 1,97; CI 95%), 1.22-3.17) Comparado com aqueles no quartil mais baixo de PCBs totais, o quartil mais alto foi associado a cerca 3 vezes maior risco (OR = 2.78 ; 95% CI, 1.41–5.48). A tendência positiva foi estatísticamente significativa (p = 0.017). A tendência foi evidente para o aumento das concentrações de PCBs, em especial os congêneres 118, 138 e 153, mas não para clordane, DDT, DDE, metoxiclor ou pentaclorofenol.
Em base aos resultados, os autores concluem que os pesticidas Polifenois biclorados, que são considerados prováveis carcinógenos e causam interferência no sistema imunitário, podem representar um risco previamente não reconhecido para a incidência de leucemia na infância.
________________________________________

Para saber mais:

Mary H. Ward, Joanne S. Colt, Catherine Metayer, Robert B. Gunier, Jay Lubin, Vonda Crouse, Marcia G. Nishioka, Peggy Reynolds, and Patricia A. Buffler
Residential Exposure to Polychlorinated Biphenyls and Organochlorine Pesticides and Risk of Childhood Leukemia
Environmental Health Perspectives Volume 117, Number 6, June 2009

http://www.ehponline.org/members/2009/0900583/0900583.pdf

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Brasiliana: uma biblioteca brasileira!

Vou colocar na barra de links o endereço da Biblioteca Virtual BRASILIANA, um projeto belíssimo de José e Guita Mindlin em parceira com a USP.
Lá será possível consultar uma grande quantidade de obras raras sobre o Brasil.
Mais um projeto que traz ao internauta a possibilidade de acesso a tantas informações que antes eram apanágio de uns poucos privilegiados leitores.
Sorte a nossa!

http://www.brasiliana.usp.br/

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Urotensina II, o novo Viagra?

A Urotensina II é um peptídio descoberto faz 30 anos. Ele age ligando-se ao receptor GPR14 e nos seres humanos está presente no endotélio vascular e em algumas zonas do Sistema Nervoso Central.
Uma equipe de pesquisadores da Universidade Federico II, de Nápoles, acaba de divulgar o resultado de um estudo onde foram observados a presença da Urotensina II e do receptor GPR14 no endotélio dos corpos cavernosos e que esta interação leva a uma liberação de óxido nítrico e consequente vasodilatação (in vitro), tornando a molécula de grande interesse para correção de possíveis disfunções eréteis.
O grupo é coordenado pelos Profs. Giuseppe Cirino (Dep. Farmácia) e Ettore Novelino e o artigo será publicado na Journal of Sexual Medicine (http://jsm.issir.org/).

Divulgação e Dicas

Divulgação:

A Tatiana Giesel deixou no meu outro blog e vou divulgar aqui para os médicos:

"Seminário vai debater situação da urgência e emergência no SUS"

Acompanhem no portal FENAM

http://portal.fenam2.org.br/portal/showData/385726

Dica:

Recebi da Bel Paraguay e deixo aqui para as mães:

As oficinas gratuitas do projeto ABC na Educação Científica – Mão na Massa estão de volta! Voltadas para crianças de 6 a 12 anos, as oficinas estarão sendo oferecidas pela equipe de educadores do projeto nas seguintes datas:

- 06 de junho (sábado): 15h00 às 16h30


- 21 de junho (domingo): 10h30 às 12h00

O tema da oficina é: “O que é o que é: Não pode ser visto, mas está aqui?”. Ficou curioso para descobrir essa resposta? Então programe-se e traga seus filhos, sobrinhos, netos e todas as crianças curiosas que você conhece.

As atividades acontecem na Sala B (piso superior) da EC e as inscrições são feitas no
próprio dia. Aproveite!

E vale lembrar que nesses dois dias - o 1° sábado e o 3° domingo do mês - a entrada na EC é gratuita.


(http://ecienciablog.blogspot.com/2009/06/oba-mais-oficinas-gratuitas-do-mao-na.html)

terça-feira, 16 de junho de 2009

Mais uma sobre o Bisfenol A

Muitos artigos na literatura indicavam a toxicidade do Bisfenol A (BPA) sobre o aparato reprodutor feminino, mas faltavam evidências de efeitos carcinogênicos do BPA neste caso, uma vez que os estudos disponíveis diziam respeito apenas às mamas e à próstata. No entanto uma nova pesquisa de cientistas do NIEHS (National Institute of Environmental Health Sciences, National Institute of Health) capitaneada pela Dr.a Retha Newbold, indica que a exposição a baixas doses de BPA (em camundongos) pode causar alterações potencialmente carcinogênicas nos tecidos do aparelho reprodutor feminino.
As autoras usaram baixas doses de BPA (0,1, 1, 10, 100 ou 1000 microgramas/kg/dia) consideradas dentro de padrões ambientalmente relevantes na janela entre os dia 9 e 16 da gestação e observaram os filhotes na fase adulta tardia (16-18 meses) avaliando seus orgãos reprodutores.
As autoras observaram a incidência de cistos ovarianos benignos foi de 67% naqueles que receberam doses de 1 micrograma/kg/dia e naqueles expostos a doses maiores apresentaram lesões ovarianas mais severas como cistoadenomas, ausentes no grupo controle. Foram também observadas metaplasia esquamosa do Utero, remanescência proeminente mesonéfrica (Wolff), e adenose vaginal, embora não estatísticamente significativa. Outras patologias presentes no grupo tratado com BPA incluiram hiperplasia atípica e polipos estromais uterinos, sarcona de cérvix, e adenocarcinoma mamário que não foram observadas no grupo controle.

Para ler mais:

Retha R. Newbold, Wendy N. Jefferson, and Elizabeth Padilla-Banks
Prenatal Exposure to Bisphenol A at Environmentally Relevant Doses Adversely Affects the Murine Female Reproductive Tract Later in Life.
Environmental Health Perspectives Volume 117, Number 6, June 2009
O artigo em pdf está disponível gratuitamente em:
http://www.ehponline.org/members/2009/0800045/0800045.pdf

segunda-feira, 15 de junho de 2009

DIVULGAÇÃO: depressão/pós-graduação

Deixo duas notícias de divulgação:


_________________________________________________________________

IPq-HC tria voluntários com depressão

O Instituto de Psiquiatria-IPq do HCFMUSP está triando homens e mulheres de 18 a 55 anos, que apresentem depressão, para participarem de projeto de tratamento e estudo com estimulação magnética transcraniana (EMT). O indivíduo deve ter disponibilidade para vir ao IPq uma vez por semana, durante oito meses.


Inscrições e informações pelo tel. (11) 3069 8159.


Fonte: Assessoria de Imprensa IPq-HCFMUSP - Julieta Magalhães - 3069 7801 - imprensa.ipq@hcnet.usp.br
_________________________________________________________________

Bolsas de Pós-Graduação na área de Saúde para o Instituto Tropical Suíço

O Instituto Tropical Suíço abre inscrições para candidaturas a bolsas de Pós-Graduação, nos seguintes cursos "Health Care and Management in Tropical Countries HCMTC"; "Health District Management: Planning and Programme Design"; "Health District Management: Priority Setting and Resource Allocation"; "Clinical Priorities in Tropical Countries" e "16th Swiss International Short Courses on Traveller´s Health".

Para mais informações sobre prazos, requisitos, inscrições e programas dos cursos, visite www.sti.ch.

quarta-feira, 10 de junho de 2009

BPA pela Dr.a Laura Vandenberg



Da Tufts University, a Dr.a Laura Vandenberg fala sobre BPA (Bisfenol A).
O comentário abaixo é gratuito e explica o motivo pelo qual as agências reguladoras deveriam ter parâmetros diferentes das "boas práticas de laboratório" para avaliar níveis de segurança de agentes como o BPA.

Myers JP, vom Saal FS, Akingbemi BT, Arizono K, Belcher S, Colborn T, Chahoud I, Crain DA, Farabollini F, Guillette LJ Jr, Hassold T, Ho SM, Hunt PA, Iguchi T, Jobling S, Kanno J, Laufer H, Marcus M, McLachlan JA, Nadal A, Oehlmann J, Olea N, Palanza P, Parmigiani S, Rubin BS, Schoenfelder G, Sonnenschein C, Soto AM, Talsness CE, Taylor JA, Vandenberg LN, Vandenbergh JG, Vogel S, Watson CS, Welshons WV, Zoeller RT.
Why public health agencies cannot depend on good laboratory practices as a criterion for selecting data: the case of bisphenol A.
Environ Health Perspect. 2009 Mar;117(3):309-15.

http://www.pubmedcentral.nih.gov/picrender.fcgi?artid=2661896&blobtype=pdf

terça-feira, 9 de junho de 2009

Um gato chamado Oscar

Eu sempre gostei de gatos.
Desde menina.
Sempre quis um daqueles gatinhos pretinhos que jogavam no quintal da minha avó e ela nunca me deixou nem chegar perto.
Um dia ganhei um gato da Regina. Nós eramos estudantes de medicina e ele foi um grande companheiro naqueles anos.
O gato, que era marrom de uma cor linda até tomar seu primeiro banho ao chegar em casa, se demonstrou na realidade cinza tigrado e recebeu o nome pomposo de Padang Mauna Kea. Nome de praia e sobrenome de vulcão. Mas, apesar do nome ele era incrívelmente manso, o contrário de sua irmã, que acabou na casa de um outro nosso colega.
Minha gata atual se chama Letizia. Ela foi abandonada aqui e nos adotou à primeira vista e lembra em muitos aspectos o Padang.

Mas é sobre o Oscar que vou lhes contar.
Oscar é um gato de Providence, Rhode Island. Vive em um hospício, que é o nome que se dá aos hospitais que dedicam-se ao suporte a pacientes terminais ou de longa degência, desde filhote.
No hospício de Oscar se tratam pacientes dementes em estado avançado.
Oscar visita os pacientes todos os dias. Cada um deles.
Entra em seus quartos, cheira o ar.
E como se sentisse aqueles que estão prestes a morrer, Oscar lhes concede sua companhia, sua presença e seu calor, deitando-se no leito ao lado do moribundo e ali permanecendo irremovível até que morra.
No Steere House Nursing and Rehabilitation Center de Providence existe uma placa dedicada a ele: "For his compassionate hospice care, this plaque is awarded to Oscar the Cat."
Talvez seria bom se alguns humanos pudessem desenvolver, não a capacidade de predizer a morte, mas pelo menos a capacidade de compaixão e suporte.

A história de Oscar foi contada no New England Journal of Medicine e em muitas outras mídias.
Rubem Alves também o citou em uma crônica na Folha de S. Paulo.

Para quem quiser ir conferir:http://content.nejm.org/cgi/content/full/357/4/328

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Alergia aos celulares?

Hoje me chamou a atenção um artigo em um jornal italiano comentando o 84º congresso da Sociedade Italiana de Dermatologia Médica, Cirúrgica, Estética e Doenças Sexualmente Transmissíveis, a SIDeMaST, que se dará em Florença na semana que vem e um dos temas que serão abordados: a alergia a telefones celulares.
Na verdade são as nossas velhas conhecidas alergias ao níquel e ao cromo (embora menos frequente), que encontram-se presentes nas partes metálicas em pelo menos metade dos aparelhos no mercado, de acordo com uma pesquisa americana da Brown University de Rhode Island.
O grupo de risco é o dos adolescentes que os utilizam por mais de uma hora e meia por dia. Na Europa existem regras que regulamentam a presença deste metais em bijouterias, mas o mesmo não acontece para aparelhos celulares, que fojem das normativas vigentes.
Como cerca 20% da população é sensível a estes agentes, dermatites localizadas próximas ao pavilhão auricular podem ter esta etiologia. Os sinais são de uma dermatite clássica: vermelhidão, vesículas e prurido, alerta o Dr. Torello Lotti, presidente da International Society of Dermatology.
Para quem já sabe ser alérgico, o melhor é evitar os aparelhos com peças metálicas, ou usar "capas" para evitar o contato.
Bom mesmo é reduzir o uso do celular e usar o "viva voz". Bom para a saúde e para o bolso.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Hoje na Folha on line

"Substância tóxica é usada como alisador
Glutaraldeído está substituindo o formol no alisamento de cabelos; Anvisa permite seu uso apenas como conservante.

Especialistas constatam aumento de problemas devido ao uso inadequado de alisadores; glutaral pode provocar reações graves."

Este é o cabeçalho da reportagem de Gabriela Cupani, na Folha, sobre alisantes ande o formol foi substituído por glutaraldeído e o risco que estes agentes apresentam para a saúde de quem utiliza estes produtos. Infelizmente não posso reproduzir o texto aqui, mas trago um fragmento:

"Em altas dosagens, a substância pode causar queimaduras, dermatite química, inflamações, coceira, descamação e reações alérgicas graves.
A inalação pode provocar crises de bronquite e asma e, em casos extremos, a chamada pneumonia química (que pode levar à morte).
Assim como o formol, o glutaral é um conservante -e não um alisador- e só pode ser empregado em produtos cosméticos na concentração máxima de 0,1%."

Não creio necessário adicionar mais nada a respeito do agente em questão.
Acho sempre oportuno lembrar que produtos clandestinos e sem registro no MS (ANVISA) NUNCA devem ser aplicados em ninguém. Procurem sempre por produtos que tenham pelo menos passado por alguma forma de controle.
E se conselho puder servir, aprendam a gostar de vocês porque vocês têm valor, não porque têm um cabelo esticadinho. Valorizem as suas características, respeitem o seu corpo e sejam críticos.
Palavra de quem tem cabelo muito crespo (e muito fino).

Para ler a reportagem: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/saude/sd0506200901.htm

Dia Mundial do Meio Ambiente

Hoje é o dia do Meio Ambiente.
Hoje não vou dizer para vocês pensarem nos outros. Vou dizer para serem egoistas e pensarem a vocês próprios. Vocês estão em risco. Porque uma variação pequena, às vezes inaparente, pode trazer sérias consequências para você. Para a sua sobrevivência como ser individual, como espécie. Salvem a sua pele. Façam algo por vocês mesmos. Tomem uma atitude. Defendam a vida que é de vocês.
Pena que seja necessário um dia no ano para que percebamos que fazemos parte disso.
Essa coisa quase desconhecida, complexa e aparentemente fora de nós chamada "Ambiente".
Só que na verdade o ambiente é em nós, e nós só somos no ambiente. É uma coisa indissolúvel, uma parceria que resulta em vida.
Como parceria que de fato é, o dia do meio ambiente é hoje, agora. E todos os hojes de todos os dias.

http://www.unep.org/wed/2009/english/

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Dopamina e interferentes hormonais

Os efeitos do 17beta-estradiol (E2) e de xenoestrógenos (XEs) no transporte da Dopamina pode ter implicações importantes na incidência de distúrbios neurológicos, especialmente naqueles relacionados a flutuação hormonal em certas faixas etárias nas mulheres.
Um grupo de pesquisadoras do Dept. de Biologia Molecular e Bioquímica da Universidade do Texas em Galveston desenhou um estudo que relacionou a atividade fisiológica da dopamina e a interferência endócrina ambiental por xenoestrógenos.
As autoras estudaram baixas concentrações de xenoestrógenos [dieldrin, endosulfan, o', p'-diclorodifenil-etileno (DDE), nonilfenol (NP), and bisfenol A (BPA)] no que diz respeito a atividades não genômicas através da ação em receptores estrogênicos (ERs).
As autoras encontraram atividade de interferência em todos os xenoestrógenos estudados em dadas concentrações .
Assim elas concluíram que baixas doses de contaminantes ambientais com ação nos receptores estrogênicos da membrana, podem alterar o padrão temporal do efluxo de dopamina e a passagem de seu carreador (DAT) e os receptores estrogênicos, levando a modificação na fisiologia celular e distúrbios de neurotransmissão.

A dopamina está relacionada a distúrbios do comportamento, transtornos afetivos, depressão, atimia, apatia, deficits de memória e concentração.

Alyea RA, Watson CS.
Differential regulation of dopamine transporter function and location by low concentrations of environmental estrogens and 17beta-estradiol.
Environ Health Perspect. 2009 May;117(5):778-83

O artigo completo gratuito pode ser descarregado deste link:http://www.pubmedcentral.nih.gov/picrender.fcgi?artid=2685841&blobtype=pdf

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Temporariamente kaput!

Gente, meu PC pifou. O HD entrou em pane e se recusa a funcionar. Portanto até que as coisas se reestabeleçam, estarei temporariamente indisponível.
Quando tudo voltar ao normal, respondo as pendências.
Obrigada pela paciência.

sexta-feira, 29 de maio de 2009

BPA, uma revisão crítica

Recomendo hoje a leitura do artigo de Patrícia Hunt e colaboradores, da Washington State University, publicado na Biology of Reprodution. O artigo tem livre acesso (grátis) e aborda de modo bastante abrangente e didático aspectos das aparentes "controvérsias" nos resultados de pesquisas reguardantes ao Bisfenol A. Abaixo reproduzo a conclusão:

"...The BPA saga provides a tutorial on how one of the world’s strongest regulatory agencies, the U.S. Food and Drug Administration works or possibly- in the case of endocrine disrupting chemicals – fails to work to protect the public. For example, although chemicals such as BPA are used in food packaging, they are not subject to the same federal regulations as chemicals that are added to our food. Further, while it has long been recognized that current testing paradigms do not work for EDCs, new testing guidelines still are not available.
Scientists, by the nature of our work, are apolitical. Two decades ago most reproductive biologists were skeptical about reports that sperm counts were dropping, infertility was on the rise, and that the incidence of breast, prostate, and other cancers was increasing. Today, far fewer of us dispute these statements, and many have become convinced that environmental exposures – and specifically exposures in utero – contribute to the changes that have occurred in the span of 1-2 human generations. A growing number of us have also become convinced that speaking to the press and the general public about our findings and our concerns should be a clear part of the job description of the next generation of reproductive biologists. The BPA experience has taught us the value of communicating complex scientific findings to the public in terms they can understand, and of sending clear messages about the potential impact of our findings to government decision makers. By refining our communication skills, we can be powerful spokesmen for better test systems and thereby assist government regulators in insuring the preservation of our reproductive health."


Para saber mais:
Hunt PA, Susiarjo M, Rubio C, Hassold TJ.
The Bisphenol A Experience: A Primer for the Analysis of Environmental Effects on Mammalian Reproduction.
Biol Reprod. 2009 May 20.

http://www.biolreprod.org/cgi/rapidpdf/biolreprod.109.077008v1

terça-feira, 26 de maio de 2009

Aung San Suu Kyi

É uma mulher, priva de sua liberdade, em Myanmar.
É uma lider política, da oposição.
Está presa por ser uma ameaça ao governo.
A sua saúde está muito fragilizada e quem a vê dificilmente acredita nesta "periculosidade".
Mas Aun San Suu Kyi ganhou o Nobel da Paz em 1991. Não é uma qualquer. Queria seu país livre. Seu pai, Aung San, morreu assassinado e foi um herói da independência da Birmânia. Ela é um símbolo, um ícone, um exemplo e um incômodo.
E por isso passou dos últimos 19 anos de sua vida ela passou 13 em prisão domiciliar. Sua prisão deveria acabar amanhã, mas não vai mais.
Agora foi transferida de sua casa para Insein, prisão de segurança máxima, sob a alegação que um cidadão americano invadiu a sua casa, assim quebrando as regras de sua reclusão domiciliar estabelecidas pela junta.
Está sob julgamento desde o dia 18. Ninguém duvida que será condenada por infringir a lei de proteção do estado, assim ficará mais 3 a 5 anos fora do cenário político.
Precisa ser dito que ela vivia reclusa em uma casa no meio de um lago (Inya) e que o tal intruso nadou, no meio da noite, para "invadir" a propriedade em uma "ação isolada para salvar a prisioneira".
Sujeito naive, criativa desculpa, ou articulado subterfúgio para mantê-la presa até as "eleições" de 2010?


Para saber mais:
http://nobelprize.org/nobel_prizes/peace/laureates/1991/kyi-bio.html
http://br.noticias.yahoo.com/s/afp/090526/mundo/mianmar_pol__tica
http://news.bbc.co.uk/2/hi/asia-pacific/8056501.stm

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Marcadas para morrer

Alberto Kornblihtt e um grupo de cientistas de diversos países da Universidade de Buenos Aires descobriram que a radiação UV em células humanas provoca síntese protêica que estimula a morte celular. É como um mecanismo de defesa interno que garante que as mutações não se propaguem a uma nova geração de células limitando a possibilidade de um câncer.
O artigo foi publicado na Cell do dia 15 de maio.
Todas as células do corpo se baseiam em um set de cerca 25000 genes que determinam as proteínas funcionais necessárias para o bom funcionamento do organismo. Eles expandem seu repertório através de um mecanismo denominado “splicing” alternativo , que permite que a célula produza um grupo de proteínas diferentes a partir do mesmo gene por uma modificação do RNA mensageiro (mRNA).
No experimento conduzido pelo grupo, eles bombardearam células humanas com radiação UVC, uma forma de radiação de altamente energética e normalmente retida na camada de ozônio, e observaram os danos em especial sobre o mRNA. Assim seria possível observar quais genes ou suas partes seriam usadas para a síntese protêica nas células expostas.
O grupo encontrou cerca 14% dos genes modificados pela radiação UVC.
Um dos pesquisadores, Manuel Muñoz , então focou sobre a possibilidade destes genes estarem relacionados a apoptose celular e acabou identificando dois genes, Bcl-X e caspase 9. Estes dois genes podem produzir difernetes proteínas pela via alternativa. Para cada um deles, uma versão previne a morte celular, enquanto a outra, a estimula. Os pesquisadores então observaram que após a estimulação e o dano causado pela radiação UVC, existia a liberação da proteína que induzia a apoptose (morte celular).
Os pesquisadores então repetiram o experimento em células onde uma proteína chave chamada p53 tinha sido suprimida. Em circunstâncias normais a p53 desencadeia uma cascata de eventos que leva à apoptose em resposta ao dano celular. Interessante notar que mesmo nestas células privas de p53, a radiação UV continuou induzindo à apoptose através da ação independente da Bcl-X e da caspase 9.
Para descobrir como a radiação UV induz à morte celular, o grupo de Kornblihtt retornou ao estudo prévio e focou sobre uma enzima chave chamada polimeraseII. Esta enzima lê o DNA e então faz cópias de mRNA, que serão as chaves para a síntese protêica. A velocidade pela qual a polimerase II desliza na banda de DNA, determina se acontecerá ou não uma versão alternativa de mRNA por “splicing”. Nas céluals expostas à radiação houve um atraso na velocidade da polimerase II levando a formas alternativas de caspase9 e Bcl-X, levando à morte celular.
Agora o grupo está planejando repetir os estudos interessando as outras formas de radiação UV, ou seja UVA e UVB, menos energéticas, mas as causas mais comuns de lesão cutânea em seres humanos.

Para saber mais:

Manuel J. Muñoz, M. Soledad Pérez Santangelo, Maria P. Paronetto, Manuel de la Mata, Federico Pelisch, Stéphanie Boireau, Kira Glover-Cutter, Claudia Ben-Dov, Matías Blaustein, Juan J. Lozano, Gregory Bird, David Bentley, Edouard Bertrand, Alberto R. Kornblihtt
DNA Damage Regulates Alternative Splicing through Inhibition of RNA Polymerase II Elongation
Cell, Volume 137, Issue 4, 708-720, 15 May 2009

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Adeus, DDT...Já vai tarde!

Do site da ANVISA, através da Ascom

"Lei proíbe agrotóxico DDT em todo o país

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou na última sexta-feira (15) a Lei nº 11.936/09, proveniente do projeto de lei (PLS 416/99) do senador Tião Viana (PT-AC), que proíbe a fabricação, a importação, a exportação, a manutenção em estoque, a comercialização e o uso de diclorofeniltricloroetano – DDT, no Brasil.

Tanto a Anvisa quanto a Secretaria de Vigilância em Saúde do Mistério da Saúde manifestaram-se favorável à aprovação do PL. O DDT é um agrotóxico altamente persistente no meio ambiente e na cadeia alimentar, além de possuir características carcinogênicas e de alteração endócrina.

No Brasil, o DDT teve sua retirada do mercado em duas etapas: em 1985, teve sua autorização cancelada para uso agrícola; e em 1998, foi proibido para uso em campanhas de saúde pública. “A nova medida irá acabar com os produtos estocados de forma obsoleta e tornará definitiva a proibição deste perigoso agrotóxico para todo e qualquer uso no país”, ressalta o gerente de toxicologia da Anvisa, Luis Claúdio Meirelles.

De acordo com a lei assinada pelo presidente, todos os estoques de DDT deverão ser incinerados em um prazo de 30 dias. Além disso, o governo deve realizar, em dois anos, estudo de avaliação do impacto ambiental e sanitário causado pelo uso de DDT, para controle de seus efeitos."

Adeus, DDT! Você já vai tarde (lembrando sempre que os resíduos persistem por 30 a 40 anos no ambiente)...

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Para quem estiver no Rio de Janeiro

E quiser ir a um concerto em Petrópolis:

Concerto Conexões: do Barroco ao Minimalismo
Data: 24/05/09 19:00
no Palácio de Cristal,Rua Alfredo Pachá - Petrópolis.

O regente é o maestro Antonio Gastão do conjunto Anima e Cuore, do Coral de Petrópolis e da UCP.

Detalhes:
CORAL E ORQUESTRA DA UCP SE APRESENTAM NA IX MOSTRA MINIMALISTA DE TEATRO

Como parte da IX Mostra Minimalista de Teatro, o Coral e a Orquestra de Câmara da Universidade Católica de Petrópolis realizarão no Palácio de Cristal, neste domingo, 24 de maio, às 19:00h, o concerto “Conexões: do Barroco ao Minimalismo”.

Com uma proposta não apenas artística, mas também didática, o maestro Antônio Gastão pretende apresentar ao público os laços que ligam as obras dos grandes mestres do passado às composições da vanguarda do século XX.

O programa inclui desde obras grandiosas do barroco e do modernismo, de Bach e Villa-Lobos, até o experimentalismo radical de John Cage e o minimalismo de Philip Glass.

ENTRADA FRANCA

Câncer de mama na infância: raro mas possível.

Hoje na Folha on line, uma reportagem de Claudia Colucci sobre a incidência de tumores de mamana infância e adolescência chama a atenção (http://www1.folha.uol.com.br/fsp/saude/sd2105200901.htm).
A testada diz:

"Câncer de mama aos dez anos surpreende médicos
Menina americana passou por mastectomia; caso é muito raro, dizem médicos.

Entre adolescentes na faixa etária de 13 a 16 anos, o Hospital Pérola Byington tem registrado dois casos de tumor mamário por ano."

A mesma notícia é disponível no site da BBC-Brasil:http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/05/090520_meninacancermama_ba.shtml

De fato, uma notícia deste gênero a alguns anos seria impensável. Cânceres de mama eram patologias ligadas a mulheres acima de 40 anos.
No caso de Hannah, a causa ainda não foi claramente identificada pois a menina não possui histórico familiar de câncer de mama.

Sem alarmes inúteis, o importante é estarmos atentos como médicos e como pais a estas ocorrências e incluirmos a possibilidade entre os diagnósticos diferenciais diante de um nódulo ou secreção anormal e procurarmos a abordagem mais correta e mais precoce possível. Importante também é ter claro que cânceres de mama ocorrem também no sexo masculino.

No mínimo nos faz pensar nas inúmeras exposições desnecessárias a agentes interferentes hormonais aos quais nossos filhos estão sujeitos todos os dias.

Para saber mais:

American Pediatric Surgical Association: http://www.eapsa.org/parents/resources/breast_disorders.cfm

Sociedade Brasileira de Mastologia:
http://www.sbmastologia.com.br/#
http://www.sbmastologia.com.br/espaco_para_o_publico/formacao_do_cancer.html
Os pais de Hannah possuem um site onde contam sua experiência e a luta de sua filha contra a doença: http://www.ourlittlesweetpea.com/

quarta-feira, 20 de maio de 2009

A ciência dos cheiros, por Luca Turin

Eu sempre fui curiosa sobre perfumes, sobre o que são, como são feitos.
Perfumaria é uma arte e uma ciência que esteve sempre presente nas civilizações ao longo da história. Talvez nem sempre segura, mas sem dúvida encantadora.
É difícil encontrar material didático sobre este tema. Principalmente quando você não é químico e nem trabalha para nenhuma das grandes casas perfumísticas, que em nosso meio é a única formação neste sentido.
Trouxe então este vídeo do Dr. Luca Turin, explicando sua teoria "vibracional" dos cheiros. É no mínimo interessante.

terça-feira, 19 de maio de 2009

Blog Vida Verde faz 1 ano!

Está em curso uma promoção para festejar o primeiro aniversário do Blog da Thais Saito, o Vida Verde da revista Crescer.
Vão, vejam, leiam, participem!

http://colunas.crescer.globo.com/blogvidaverde/

Kisspeptina, interferentes hormonais e puberdade

Do Departmento de Biologia, da North Carolina State University, em Raleigh um artigo instigante nos fala sobre os efeitos dos interferentes hormonais em neurônios produtores de kisspeptina.
Os autores no estudo afirmam que tem-se observado um aumento nas evidências que neurônios produtores de kisspeptina (KISS) possuem um papel importante na menarca, puberdade e na ovulação e que agentes com atividade hormonal podem causar alterações nesta sinalização e consequentemente influir na maturação e função reprodutiva.
O mesmo grupo, em estudo anterior já demonstrou que a exposição neonatal a fitoestrógenos diminui a densidade de KISS nas fibras no hipotálamo anterior de ratos fêmea, um efeito associado ao estrus persistente precoce e uma alteração na ativação dos neurônios produtores de hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH).
O estudo atual tinha como objetivo determiner se um agonista seletivo do recetor estrogênico alfa (ERalfa), PPT (propil pirazoltriol) ou Bisfenol A (BPA) poderia ter efeitos similares no conteúdo hipotalâmico de KISS em ratas fêmea, e verificar se em ratos machos, a densidade de fibras também era sensível aos efeitos dos interferentes.
Inicialmente foram observados os efeitos da exposição neonatal ao PPT, uma baixa dose de BPA (50mg/kg) na imunoreatividade nos núcleos arqueado (ARC) e periventricular anterior ventral (AVPV) de ratas adultas, usando estradiol benzoato (EB) e óleo de gergelim como controles. A imunoreatividade de KISS do núcleo paraventricular anterior ventral (AVPV KISS-ir)após ovariectomia e priming hormonal foi significativamente menor nos grupos controle (EB) e no grupo usando PPB, mas não no grupo exposto a BPA.
Os níveis de ARC KISS-ir foram significativamente menores no grupo controle e no grupo recebendo alta dose de BPA e observou-se uma tendência não significativa para diminuição do KISS-ir no grupo do PPB.
Em seguida, os autores examinaram os efeitos sobre a população neonatal de baixas doses de BPA (50 microg/kg bw) e de genisteína (GEN), fitoestrógeno presente na soja, e equol (EQ), uma isoflavona derivada da daidzeína sobre o KISS-ir nos AVPV e ARC de ratos machos adultos, usando ratas ovariectomizadas como controle. Nenhum dos compostos afetou a KISS-ir no hipotálamo dos machos.
Os resultados sugerem que a organização das fibras KISS hipotalâmicas pode ser vulnerável a exposição a agents interferentes e que as fêmeas são mais sensíveis que os machos.
Embora ainda muitos estudos devam ser realizados, é plausível supor que agentes ambientais possam interferir com o início da menarca e com a sinalização do LH e FSH.

Para saber mais:
Patisaul HB, Todd KL, Mickens JA, Adewale HB.
Impact of neonatal exposure to the ERalpha agonist PPT, bisphenol-A or phytoestrogens on hypothalamic kisspeptin fiber density in male and female rats.
Neurotoxicology. 2009 May;30(3):350-7.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Estudo sobre Degeneração Macular busca voluntários

Divulgação:

Estudo em degeneração macular busca voluntários

15/5/2009, Agência FAPESP – O Instituto da Visão da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) convida portadores de degeneração macular, com mais de 50 anos de idade, a participar de um estudo internacional com um novo medicamento para prevenção da forma mais grave da doença, que é a exsudativa (úmida).

Segundo a Unifesp, o principal objetivo do tratamento é diminuir o risco de desenvolvimento de baixa visual no olho ainda não afetado.

Degeneração macular é uma doença que afeta a mácula. Região central e mais sensível da retina, a mácula é responsável pela leitura, proporcionando uma visão nítida, detalhada e em cores. Quando não funciona de maneira correta, ocorre embaçamento, distorção ou escuridão no centro da visão.

A degeneração macular afeta tanto a visão de longe como a de perto e pode dificultar ou impedir algumas atividades, como ler ou assistir televisão. Embora reduza a visão na parte central da retina, não prejudica o campo visual periférico.

Características exigidas para participação: ter 50 anos ou mais; ter boa visão no olho não afetado pela doença, que será alvo do estudo; diagnóstico clínico de Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) exsudativa no olho doente.

Os pacientes deverão procurar ou ser encaminhados para o Setor de Pesquisa Clínica da Unifesp, na R. Loefgreen 1726 (Vila Clementino), São Paulo-SP, de 2ª a 6 feira, das 8h às 18h.

Mais informações: luci@oftalmo.epm.br ou (11) 5572-6443/5084-5878, com Luci, Ana, Rogério ou Filipe

Reflexão sobre um incidente

Da agência ANSA italiana vem a notícia do sequestro de um lote de produtos cosméticos contendo metildibromoglutaronitrila (MG). Este ingrediente é um conservante, encontrado em agentes de limpeza, amaciantes de roupas, adesivos, tintas e óleos industriais, além de cosméticos. É um potente alergeno que pode causar dermatites e erupções cutâneas, sendo altamente tóxico e banido da União Européia desde o ano passado.
A coisa traz um certo desconforto quando se observa que os produtos foram fabricados na Alemanha, portanto dentro da EU, e distribuídos também na Itália em uma rede de lojas de baixo custo (Nine-T-Nine Cent Paradise) em 70 pontos de venda dos 171 da cadeia.
A casa produtora se chama Assam Gmbh&Co Betriebs, segundo a agência e produzia shampoos, condicionadores, sabonetes e cremes e foram importados por uma empresa de Bolzano. O que chamou a atenção das autoridades italianas foi a ausência de rotulagem traduzida em italiano. Houve seqüestro dos produtos e os mesmos foram analisados em laboratório por amostragem aleatória e constatou-se então a presença do ingrediente, proibido na UE desde 22junho de 2008, em doses significativas (chegando até a 156mg/kg).
Um alerta geral para a União Europeia foi distribuído.

E aí você pensa: "E o que eu tenho a ver com isso?"
É importante observar alguns pontos desta notícia:

1)Apesar da proibição dentro do território europeu, empresas em má fé insistem em fabricar produtos ilegais e distribuí-los apesar das restrições, demonstrando pouca ou nenhuma responsabilidade perante a saúde de quem vai utilizá-los.

2) A proibição do agente diz respeito somente à União Européia, o ingrediente pode ser utilizado em outros mercados. Não há restrição para este agente no Brasil, segundo a RDC 162 da Anvisa, de 11 de setembro de 2001. Portanto, um produto fabricado dentro da EU destinado a outros mercados, pode ter uma formulação diferente daquele distribuído dentro da EU. Não é garantia que a casa mãe se localize em território europeu para que as normas vigentes lá (REACH e 7° emendamento) se apliquem a todos os produtos. O fabricante deve respeitar a legislação do país para o qual se destina o produto.

3) Foi por uma questão de rotulagem que ocorreu a apreensão do produto. Rótulos não são decorativos, nem um luxo, são uma arma nas mãos do consumidor inteligente e este deve fazer um pequeno esforço para aprender a lê-los.

4) Em nosso país existem farmácias e lojas onde se vendem produtos sem adequada rotulagem, sem registro no Ministério da Saúde (ANVISA), sem testes, sem controle de nenhum tipo. Se vocês encontrarem nas prateleiras produtos onde não apareçam os ingredientes, validade, modo de uso e o número de registro no MS, denunciem à Vigilância Sanitária local imediatamente.
Infelizmente muitos profissionais nos estabelecimentos não conhecem com detalhes as normas que regulamentam a produção e comercialização de cosméticos, desconhecendo os parâmetros mínimos de rotulagem e os riscos implícitos em seu uso sobre a saúde pública.
Nada impede o consumidor de procurar produtos a baixo preço, se for o caso, desde que estes respeitem a legislação.
Eu mesma já encontrei aqui no interior de São Paulo muitos produtos irregulares em prateleiras de diversos pontos de venda. Questionando os responsáveis, recebi sempre as desculpas mais absurdas sobre a legislação regulatória ou percebi mesmo uma completa ignorância do tema.

5)Após a proibição do uso deste agente em território europeu, a incidência de dermatites relacionadas a ele caiu significativamente, o que demonstra a utilidade das medidas reguladoras.



Para saber mais:

Johansen JD, Veien N, Laurberg G, Avnstorp C, Kaaber K, Andersen KE, Paulsen E, Sommerlund M, Thormann J, Nielsen NH, Vissing S, Kristensen O, Kristensen B, Agner T, Menné T.
Decreasing trends in methyldibromo glutaronitrile contact allergy--following regulatory intervention.
Contact Dermatitis. 2008 Jul;59(1):48-51.

Sobre Metildibromoglutaronitrila
Videncenter for allergi
http://www.videncenterforallergi.dk/Methyldibromo%20glutaronitrile-268.aspx

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Curso Intensivo de Ciências Dematocosméticas 2009

O "Intensive Course in Dermato-Cosmetic Sciences 2009", da Vrije Universiteit Brussel acontecerá de 7 a 11 de Setembro de 2009.
O programa será uma atualização dos temas do ano passado e assim que me for enviado trago para vocês saberem.

Para maiores informações:

Dept. of Toxicology, Dermato-Cosmetology and Pharmacognosy
Vrije Universiteit Brussel, Laarbeeklaan 103
B-1090 Brussels
Tel. +32/2.477.45.94, +32/2.477.45.07
Fax +32/2.477.45.82
E-mail : Marleen.Pauwels@vub.ac.be, Manon.Vivier@vub.ac.be
http://dercoscourse.vub.ac.be
http://safetycourse.vub.ac.be